Arquivo da tag: geral

Membros do OPP participam de evento na Defensoria Pública

A Defensoria Pública Geral do Estado – DPGE CE realiza, neste dia 23 de outubro,  a partir das 14h, na sede administrativa do órgão, localizada na Av. Pinto Bandeira, nº 1111 – bairro Luciano Cavalcante, o I Seminário de Pesquisa e Extensão em Violência, Direitos Humanos e questões de gênero, em parceria com a Universidade Federal do Ceará – UFC.
O objetivo do seminário é expor trabalhos e apresentar os Núcleos e órgãos de atuação da DPGE e buscar a integração da academia com a DPGE, considerando o vasto potencial de pesquisas e projetos de extensão universitária que podem ser desenvolvidos em parceria entre as instituições.
Nesse sentido, serão apresentados pelos pesquisadores daquela Universidade, os seguintes temas:
1) Homicídios no Ceará: Tendências e Fatores Associados (Prof. Dr. José Gomes Bezerra Filho);
2) Atenção Integral às Pessoas Vivendo com HIV/AIDS na Atenção Básica: A Experiência do Centro de Saúde da Família Anastácio Magalhâes (Prof. Dr. Roberto da Justa Pires);
3) Prisões, Mídia e a Produção de sujeitos despossuídos (Dr. Antônio Rodrigues Sousa)
4) Violência e segurança jurídica no Ceará: reflexões sobre a difusão do crime e as estratégias de controle social no Estado (Dr. Luiz Fábio Paiva)
5) O papel do Projeto Verdeluz e da Associação Boca Golfinho na promoção da cultura de paz e da sustentabilidade no município de Fortaleza (Beatriz Azevedo de Araújo e Ana Carolina Lessa).

Na oportunidade, serão apresentados os trabalhos dos núcleos e projetos da Defensoria Pública do Ceará, com vistas a estimular a troca de experiências com a academia, favorecendo, inclusive, a difusão de criação de novos projetos de pesquisa e extensão voltados à matéria afeta à Defensoria Pública.

Anúncios

Debate com os candidatos a Governador do Ceará

O Debate com os quatro candidatos ao cargo de governador do estado está sendo realizado na Concha Acústica da Universidade Federal do Ceará – UFC (Av. da Universidade, 2.853). O evento, nesta quarta-feira (24/09/2014) acontece das 19h às 21h. Ailton Lopes (PSOL), Camilo Santana (PT), Eliane Novais (PSB) e Eunício Oliveira (PMDB) foram convidados a responder às perguntas do público sobre os temas Saúde, Segurança, Educação, Serviço Público, Gestão Pública, Juventude e Universidade e Direitos Humanos.

O debate é promovido pelo Sindicato dos Trabalhadores das Universidades Federais no Estado do Ceará (SINTUFCe), Sindicato dos Docentes das Universidades Federais do Estado do Ceará (ADUFC), Centro Acadêmico Clóvis Beviláqua (CACB), Diretório Central dos Estudantes da Universidade Federal do Ceará (DCE-UFC), Observatório de Políticas Públicas da Universidade Federal do Ceará (OPP) e Ordem dos Advogados do Estado do Ceará (OAB-CE).

A mediadora do debate será a professora do curso de Jornalismo da UFC, Kamila Fernandes. Evento aberto ao público. Os Candidatos Camilo Santana (PT) e Eunício Oliveira (PMDB) em um ato de desconsideração e profundo desrespeito não compareceram ao debate e desdenharam até a possibilidade de dar uma justificativa.

Segue link para a transmissão via internet do debate. http://youtu.be/XTg5RVNnaas

Carta aberta  aos candidatos lida no evento: Carta Aberta aos Candidatos ao Governo do Estado

Saiba mais 
SINTUFCe e ADUFC são as entidades representativas dos técnico-administrativos e professores da UFC, Universidade Federal do Cariri (UFCA) e Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab). Essas entidades representam pessoas que trabalham e/ou moram em Fortaleza, Sobral, Crateús, Quixadá, Pentecoste, Redenção, Juazeiro do Norte, Barbalha e Crato.

O DCE é a entidade representativa dos estudantes da UFC. O Centro Acadêmico Clóvis Beviláqua (CACB) representa os estudantes da graduação e pós-graduação da Faculdade de Direito da UFC.   O Observatório de Políticas Públicas da UFC é um programa de extensão da UFC que foi concebido para contribuir para a formação acadêmica e para o fortalecimento da cidadania e do controle social, visando uma atuação mais eficaz do estado na concepção e implementação de políticas públicas para a melhoria das condições de vida da população cearense.

Congresso da Abres

01

O XI Encontro Nacional de Economia da Saúde: Saúde, Desenvolvimento e Território & VI Congresso de Economia da Saúde da América Latina e Caribe acontecerão entre os dias 24 a 26 de setembro de 2014 em São Paulo no Novotel Jaraguá que é situado à Rua Martins Fontes, 71.

Sobre a Abres

A Associação Brasileira de Economia da Saúde – ABrES, foi fundada em Brasília, DF, aos vinte e nove dias do mês de novembro do ano de 1989, um ano depois da criação do Sistema Único de Saúde (SUS). É uma sociedade civil de âmbito nacional, dotada de personalidade jurídica de direito privado, com natureza e fins não lucrativos, com sede e foro na cidade de Rio de Janeiro e prazo de duração indeterminado. Saiba mais sobre a Abres no Site: http://abresbrasil.org.br/

Confira o Caderno com a programação das sessões e das mesas de apresentação de trabalho‏: AQUI

ENE | Encontro Nacional de Educação

O Encontro Nacional de Educação (ENE) está planejado para acontecer no Rio de Janeiro, nos dias 8, 9 e 10 de agosto de 2014. É empolgante constatar que diversos encontros preparatórios estão motivando debates (e a organização de caravanas) em todo o país, literalmente de norte a sul e de leste a oeste, convocados por sindicatos, movimentos sociais, setores universitários e coletivos estudantis.

Visite a página do ENE e saiba mais.

ENE | Encontro Nacional de Educação.

De Olho nos BRICS

Brics1

Release


Em 2001, no Global Economics Paper n° 66 (Building Better Global Economic BRICs), o economista Jim O’Neill, presidente da gestora de ativos da Goldman Sachs na Grã-Bretanha, criou a sigla BRIC, que corresponde ao Brasil, Rússia, Índia e China. Esses países emergentes foram considerados por ele com grandes possibilidades de se tornarem futuras potências econômicas, cuja soma dos seus PIBs chegaria a superar a do G7 – o grupo de países mais industrializados do mundo – a partir da segunda década deste século. Em 2003, publicou também pela referida agência o artigo n°99, com o título Dreaming With BRICs: The Path to 2050. Mais recentemente a África do Sul foi inserida no grupo, cuja sigla passou a ser BRICS, a qual se popularizou e se tornou emblematicamente utilizada como afirmação geopolítica frente aos países desenvolvidos e às instituições internacionais.

Esta foi a VI cúpula do BRICS, que ocorreu em Fortaleza, nos dias 15 e 16 de julho de 2014. Como resultado tem-se a criação de um Banco de Desenvolvimento e do Arranjo Contingente de Reservas, que proporcionarão ao grupo um maior fortalecimento na economia mundial. Embora sejam muito diferentes, politicamente e culturalmente, os cinco países reunidos têm 42% da população mundial e pouco mais de 20% do PIB e ocupam uma área considerável do planeta e de suas riquezas naturais, e foram responsáveis pelo crescimento da economia mundial mesmo durante a crise nos países desenvolvidos. Um dos objetivos do encontro foi promover o comércio entre os países diminuindo os custos de transações, abrir mercados – ainda restritos para a indústria dos países mais dinâmicos do grupo –, discutir sobre parcerias com outros países e criar um banco, em resposta a não concordância com algumas condições impostas pelo FMI e Banco Mundial para financiar o desenvolvimento nessas nações e países parceiros.

Assim, o Observatório de Políticas Públicas disponibiliza, a seguir, os principais documentos, análises e notícias referentes a este encontro dos BRICS em Fortaleza, como também textos e matérias importantes que questionam e analisam criticamente o potencial deste grupo no atual contexto de forças econômicas e políticas que conformam a economia mundial e a globalização.

 Documentos Oficiais


Criação do Novo Banco do BRICS

Declaração de FortalezaVI Cúpula BRICS

 Links e Arquivos


Segue o link da Revista contra corrente da Rede Brasil, distribuída no Encontro sobre os BRICs promovido por organizações e movimentos da sociedade civil, dentre eles o ESPLAR.

http://issuu.com/guilhermeresende/docs/revista_contracorrente___6/0

Comunicados do Ipea Nº 86, 13 de abril de 2011

Relações Comerciais e de investimentos do Brasil com os demais países do BRICS

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) lança a 5ª Publicação Estatística Conjunta dos Países Brics 2014 (Brics – 5th Joint Statistical Publication 2014). Abaixo temos o arquivo desse documento e do seu predecessor feito em 2013.

BRICS_Joint_Statistical_Publication_2014

BRICS_Joint_Statistical_Publication_2013

Notícias de Jornais


Folha de São Paulo

Banco vai ajudar não só os BRICS mas outros países emergentes Também, diz Mantega.

Acessado em: 14 de julho de 2014, 10h17m.

Valor Econômico

Xi rejeita hegemonia e quer mais atuação em questões globais

Acessado em: 14 de Julho de 2014, 10h: 45m.

Valor Econômico

Encontro do BRICS começa com reuniões de ministros e empresários 

Acessado em: 14 de Julho de 2014, 10h: 50m.

Valor Econômico

Banco dos BRICS é resposta a falta de reformas no FMI, diz Mantega.

Acessado em: 14 de Julho de 2014, 11h:20m.

Folha de SP

Com banco, Brics se tornam “acrônimo com capital”, diz The Economist

Acessado em: 17/07/14

Dossiê: VI Encontro do BRICS no Centro de Eventos do Ceará

Matéria em telejornal.

Acessado em 14/07/2014, 13:20 hrs.

Relações desiguais entre os países dos BRICS

acessado em 14/07/2014, 14:15 hrs.

O Povo Online – 11/07/2014

Relação desigual, mas necessária à economia brasileira

acessado em 14/07/2014, 14:05 hrs.

O Povo Online – 12/07/2014

Cúpula deve fortalecer laço

acessado em 14/07/2014 , 14:26 hrs.

Porta de entrada para o mercado africano

acessado em 14/07/2014, 14:30 hrs.

O Povo Online – 13/07/2014

42% da população mundial, um imenso mercado consumidor

acessado em 14/07/2014, 14: 30 hrs.

Argentina cotada para entrar no BRICS. Mas ela cabe?

acessado em 14/07/2014,  14: 45 hrs.

Barreiras tarifárias têm que ser quebradas

acessado em 14/07/2014,  15: 00 hrs.

O Povo Online – 14/07/2014

Tem união, mas falta acordo

acessado em 14/07/2014,  15: 17 hrs.

Mídia do BRICS pode falar mais alto na imprensa internacional

acessado em 14/07/2014,  15: 30 hrs.

O futuro da economia traçado em Fortaleza

acessado em 14/07/2014, 15:48 hrs.

Banco dos BRICS só deve começar a funcionar em 2016

acessado em 14/07/2014, 16:05 hrs.

Voos com chefes de Estado chegam ao aeroporto Pinto Martins.

acessado em 14/07/2014, 16:20 hrs.

Exportadores de carne querem ampliar vendas aos BRICS

acessado em 15/07/2014, 08:30 hrs.

Empresários vão sugerir troca direta de moeda entre os países do bloco

acessado em 15/07/2014, 08:50 hrs.

O Povo Online – 15/07/2014

Um novo banco mundial nasce hoje em Fortaleza

acessado em 15/07/2014, 09:37 hrs.

Ministros dispostos a impedir protecionismo

acessado em 15/07/2014, 09:55 hrs.

Jorge Gerdau contra isonomia para siderúrgicas

acessado em 15/07/2014, 10:13 hrs.

Putin diz que expansão do bloco não está na pauta de discussão

acessado em 15/07/2014, 10:38 hrs.

Movimentos sociais discutem articulação entre países

acessado em 15/07/2014, 10:51 hrs.

Conselho empresarial do BRICS elabora documento sobre comércio

acessado em 15/07/2014, 14:05 hrs.

IBGE divulga livro sofre os países do BRICS

acessado em 15/07/2014, 14:29 hrs.

Para Dilma, países do BRICS vivem momento especial em Fortaleza

acessado em 15/07/2014, 14:55 hrs.

Movimento Crítica Radical protesta contra BRICS.

acessado em 15/07/2014, 15:18 hrs.

Banco de Desenvolvimento do BRICS é criado em Fortaleza

acessado em 15/07/2014, 15:51 hrs.

Brasil será o segundo a presidir novo banco de desenvolvimento

acessado em 16/07/2014, 09:00 hrs.

O Povo Online – 16/07/2014

Argentina volta à pauta do BRICS

acessado em 16/07/2014, 09:24 hrs.

Banco de Desenvolvimento terá sua sede em Xangai

acessado em 16/07/2014, 09:47 hrs.

Brasil teve de abdicar de presidência e sede do banco dos BRICS

acessado em 16/07/2014, 10:13 hrs.

BRICS criam banco porque afirmam faltar crédito no planeta

acessado em 16/07/2014, 10:32 hrs.

Chefes de Estado pedem solução para conflito

acessado em 16/07/2014,  10:56 hrs.

Encontro paralelo a cúpula dos BRICS aproxima Aracati e Moçambique

acessado em 16/07/2014,  11:21 hrs.

Grupo planeja a criação da universidade dos BRICS

acessado em 16/07/2014,  11:43 hrs.

Os impactos sociais da corrida por investimentos

acessado em 16/07/2014,  12:16 hrs.

Meta de Brasil e Índia é aumentar volume comercial para U$ 15 bilhões

acessado em 16/07/2014,  12:40 hrs.

Brasil e Índia se unem nas áreas de meio ambiente e de troca de dados

acessado em 16/07/2014,  13:00 hrs.

Dilma diz que a criação do NBD foi “satisfatória” e critica a abordagem da mídia

acessado em 16/07/2014,  13:10 hrs.

O Povo Online – 17/07/2014

 Sul-americanos elogiam criação de banco

acessado em 17/07/2014,  13:00 hrs.

O que significa ser espelho do BIRD e do FMI

acessado em 17/07/2014,  13:29 hrs.

Dilma: “o Brasil não cedeu porque não tinha, não era dono”

acessado em 17/07/2014,  13:55 hrs.

Relações ainda limitadas dizem especialistas

acessado em 17/07/2014,  14:32 hrs.

China terá maior influência no mundo

acessado em 17/07/2014,  15:02 hrs.

Brasil pediu a separação entre presidência e conselho do NBD

acessado em 17/07/2014,  15:27 hrs.

Banco do BRICS: Ninguém tem poder de veto

acessado em 17/07/2014,  15:51 hrs.

BRICS:   quase um bloco?

acessado em 17/07/2014,  16:15 hrs.

XL Encontro Nacional de Estudantes de Economia – ENECO Fortaleza 2014

O ENECO

     O Encontro Nacional de Estudantes de Economia é um evento de caráter acadêmico que tem por objetivo gerar discussões coletivas entre os discentes de Economia de todo o país. Os debates se constroem em torno de um tema geral capaz de cobrir uma área diversificada de tópicos pertinentes a ele e de promover a pluralidade de vertentes teórico-metodológicas típicas desse campo de estudo.
O caráter acadêmico é representado de uma dupla forma: A forma científica, que tem por objetivo a difusão e o debate de pesquisas e estudos realizados pelos estudantes nas mais diversas faculdades de Economia do país, e a forma cultural, que tem por objetivo a integração dos estudantes em espaços de festas e apresentações artísticas ao mostrar a cultura da região onde o encontro se realiza.
O objetivo das discussões é instigar os corpo estudantil de Economia a fazer uma leitura crítica da realidade, estimulando-os a se tornarem agentes transformadores da mesma. O estudo da ciência econômica, independente da vertente teórico-metodológica utilizada, se destina a projetar no tempo futuro uma sociedade mais desenvolvida que no tempo presente. Mas no que se constitui esse desenvolvimento? E qual a melhor forma de fazê-lo? Quem será beneficiado e quem será prejudicado nesse processo?
Essas perguntas demonstram outra faceta do evento: o caráter político. Aqui, o político não se constitui em partidos ou organizações, mas sim em sua forma conceitual mais pura. O economista, enquanto “ser político”, é aquele que vive e age na cidade. Doravante é fundamental que ele se posicione para vivê-la, criticando ou reiterando posições, sempre no espírito democrático de respeito ao pensamento divergente.

Mais informações no Site do Eneco

 

Estados e municípios têm um ano para criar planos de educação | O POVO

Estados e municípios têm um ano para criar planos de educação | Matéria Completa no O POVO.

No link acima você pode acessar um resumo das metas do PNE.

O novo Plano Nacional de Educação estabelece metas para transformar o ensino no Brasil até 2020. Estados, municípios e o Distrito Federal precisam elaborar planos próprios.

Na próxima semana, deve ser publicada portaria no Diário Oficial do Estado nomeando os integrantes de comissão que discute a instituição do Plano Estadual de Educação do Ceará. A criação do documento nos estados, municípios e no Distrito Federal deve ocorrer em até um ano, conforme exigência do novo Plano Nacional de Educação (PNE), cujo prazo para sanção pela presidente Dilma Rousseff (PT) era ontem.

 

Segundo a chefe de gabinete da Secretaria da Educação do Estado (Seduc-CE), Cristiane Holanda, uma comissão interinstitucional se reúne quinzenalmente desde o ano passado e deve deixar, ao fim desta gestão, em dezembro, um texto-base do documento. O grupo deve ser oficializado na próxima semana. “O plano não é de governo, é de Estado. Tanto que é para dez anos. Dentro dessa perspectiva, vamos trabalhar pra deixar pronto um diagnóstico bem feito pra ver o que é viável, o que é preciso refazer”, diz.

 

Até o ano passado, segundo último levantamento da comissão, apenas 23 dos 184 municípios cearenses possuíam plano. Todos, porém, se comprometeram a elaborar a lei, que deve ter como base o PNE. O plano nacional é um documento com 20 metas seguidas de estratégias que buscam garantir educação acessível e de qualidade em todos os níveis (da educação básica ao ensino superior) para o Brasil até 2020.

 

Ampliação de vagas em creches, universalização do ensino fundamental e investimento de 10% do Produto Interno Bruto (PIB) em educação são algumas das metas. A lei tramitou por quase quatro anos no Congresso (o documento foi elaborado a partir de deliberações da Conferência Nacional de Educação, de 2010). O POVO contatou a Casa Civil, na tarde de ontem, e foi informado que a sanção seria feita e a nova lei publicada na edição do Diário Oficial da União de hoje.

 

Fortaleza já possui um plano municipal de educação. A lei nº 9.441, de 2008, define objetivos para o Município e já há um grupo de trabalho que trabalha para alinhá-lo ao plano nacional, conforme a assessora institucional da Secretaria Municipal da Educação (SME), Márcia Campos.

 

Análise do PNE

O professor Idevaldo Bodião, membro do comitê diretivo da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, reconhece no PNE “uma vitória importante”, mas critica a não definição das responsabilidades de estados, municípios e da União no cumprimento das metas. Não está bem definido, porque a lei de responsabilidade educacional ainda tramita na Câmara, de quem a sociedade civil “cobraria”, avalia Bodião, que é professor aposentado da Universidade Federal do Ceará (UFC). “(O PNE) é um avanço e precisa ser comemorado. Mas daí a achar que a solução é definitiva, não está correto”.

 

Para Lúcia Veras, membro do Conselho Estadual de Educação, “o desafio é articular um sistema de ensino pra que as metas sejam cumpridas. Precisamos avançar pra que não haja desperdício de recurso, pra que os entes não realizem ações de forma desarticulada e pra que haja cumprimento de metas”.

 

Alejandra Meraz Velasco, gerente da Área Técnica do movimento Todos Pela Educação, dialoga pontuando que ainda não está claro como o regime de colaboração deve ocorrer. Ela frisa que as metas do PNE “são bem desafiadoras”, porém destaca: “O plano não tem grandes inovações, é uma agenda que devia ter sido cumprida no século passado. Mas é uma agenda que não pode mais ser postergada”.